Baú do Som: R.I.P Chris Cornell

Compartilhe:

Seguindo a rotina de sempre, acordei, tomei café e dei uma passada no Twitter, preparada para rir dos memês sobre a bagunça da política nacional. Mas, foi por lá que recebi a noticia do falecimento de um dos meus cantores preferidos e melhor voz do grunge, Chris Cornell, aos 52 anos; o tipo de noticia que deixa o dia cinzento, melancólico.

O assessor do cantor, Brian Bumbery, resumiu que a morte de Cornell como “súbita e inesperada”. Segundo informações do canal americano 4 WDIV, de Detroit, uma fonte teria informado que um amigo teria encontrado-o morto no banheiro de um hotel na cidade, local onde ele se apresentara horas antes com o Soundgarden. Segundo o público do show, a última canção cantada por Cornell foi ‘In My Time of Dying’, cover do Led Zeppelin, uma frequente nas apresentações da banda. Segundo a Variety, a policia suspeita de suicídio:

“Por volta da meia-noite [horário local], nós recebemos uma ligação no 911. Aparentemente um amigo da família foi procurar Cornell a pedido de sua mulher. Ele chegou ao hotel e encontrou o artista desacordado no chão do banheiro. A polícia foi até o local fazer procedimentos de primeiros socorros e ele foi dado como morto no lugar”, disse a polícia em comunicado.

Ainda de acordo com a reportagem da Variety, uma outra fonte dentro da polícia disse que o cantor foi encontrado com uma faixa enrolada em seu pescoço. Chris Cornell deixou a esposa, Vicky Karayiannis-Cornell, e três filhos.

[Atualização, 16:00] Há pouco a Polícia de Detroit confirmou suicídio por enforcamento:

Ainda é preciso aguardar o laudo toxicológico.

Cornell, Soundgarden e o Grunge marcaram muito minha infância/adolescência. O timbre único, as interpretações viscerais, os grandes olhos azuis. Soundgarden e, mais tarde, o Audioslave eram algumas das bandas que eu mais ouvia nesse período (ainda escuto, na verdade). E, claro, foi também um dos meus primeiros crushs do mundo do Rock, pois enquanto minhas amiguinhas suspiravam por Backstreet Boys e similares, meu lance era Cornell, Eddie Vedder e etc. Vedder, aliás, fica sendo o ultimo dos vocalistas das quatro grandes bandas de Seattle: Nirvana, Alice in Chains, Soundgarden e Pearl Jam.

Kurt Cobain se foi aos 27, em 1994, suicídio; Layne Staley aos 34 anos, em 2002, overdose… Como falaram lá no Twitter, é melhor a gente guardar o Eddie enrolado em plástico bolha. E não é nem bem uma piada, muito menos “mal agouro”, espero que ele viva por muitos e muito anos, é que cada vez que um grande artista se vai, o mundo fica pior, e se não pior, menos suportável e mais e mais pobre. Então, a vontade que dá é mesmo de pegar todos os grandes artistas que sobraram, todas as pessoas que você gosta e admira e guardar muito bem, pra não correr o risco de perder no meio desse moinho que é o mundo, como já metaforeou Cartola.

com Eddie

Friendship goals

Chris Cornell nasceu Christopher John Boyle, em Seattle, 20 de Julho de 1964, mas passou a usar o sobrenome de solteira da mãe, quando seus pais se divorciaram. Seu primeiro instrumento na infância foi o piano, mas iniciou sua carreira como baterista na banda Jones Street Band. Em 1984, junto com o guitarrista Kim Thayil e o baixista Hiro Yamamoto, formou o Soundgarden, primeira das bandas de Seattle a assinar contrato com uma grande gravadora e apontada por críticos musicais como responsável por abrir portas para as bandas da região. Cornell esteve a frente do Soundgarden até 1997, quando decidiram encerrar as atividades.

Antes disso, em Em 1990, seu amigo Andrew Wood da banda Mother Love Bone morre de overdose de heroína. Cornell homenagea-o com duas músicas de sua autoria, “Say Hello To Heaven” e “Reach Down”. Juntando-se a Jeff Ament e Stone Gossard, ambos membros dos Mother Love Bone, além de Mike McCready e Eddie Vedder, formando o Temple Of The Dog, que lançou um único álbum. Mike McCready e Eddie Vedder viriam a compor posteriormente o Pearl Jam. Na época, Vedder tinha acabado de chegar em Seattle, vindo de San Diego e foi ideia de Cornell que eles cantassem “The Hunger Strike” juntos.

Durante o hiato do Soundgarden, Cornell lançou trabalhos solos e, em 2001 formou o Audioslave junto com Tom Morello, Tim Commerford e Brad Wilk, ex-membros do Rage Against the Machine.

Em 2012, o Soundgarden voltou a se reunir e lançou o álbum “King Animal”.

 Encerramos com imagens do ultimo show do Soundgarden:

Descanse em paz, Chris.

The following two tabs change content below.
Formada em Letras, apaixonada por Literatura e viciada em Cultura Pop. Tornou-se irremediavelmente fã de Jaspion aos 3 anos. Quando criança (e ainda hoje) preferia os filmes do Schwarzenegger a qualquer desenho da Disney e acha que o Viggo Mortensen também é lindo sem a caracterização de Aragorn
Compartilhe: