Cinema no Aconchego do Lar: RoboCop – O Policial do Futuro

Espalhe!

RoboCop- O Policial do Futuro

( RoboCop )

Direção: Paul Verhoeven.

Com: Peter Weller, Nancy Allen, Dan O’Herlihy, Ronny Cox, Kurtwood Smith, Miguel Ferrer.

EUA, 1987

É o seguinte: RoboCop de Paul Verhoeven não é um dos melhores filmes dos anos 80. É um dos melhores filmes de todos os tempos. Assisti pela primeira vez em uma das reprises da Globo nos anos 90 e desde então é um dos meus favoritos. Revejo pelo menos uma vez por ano.
A fantasia sobre um policial de Detroit que é trucidado por uma gangue de meliantes e que ressurge como Robocop graças a uma inescrupulosa corporação, é repleta de humor negro e criticas mordazes. Tudo intencionalmente exagerado, como a famosa violência do longa.
RoboCop não envelheceu nada. Muitas de suas criticas, como a televisão e o consumismo por exemplo, são atuais. Os efeitos práticos ainda são bem bacanas e mais realistas do que muito CG que tem por aí atualmente. Em ritmo de HQ, o filme não perde tempo. Toda a trama é contada com fluidez, não há uma cena desnecessária no longa inteiro. Cenas como a de Murphy  visitando sua antiga casa são fantásticas. Não se gasta tempo com diálogos expositivos, tão em voga nas produções recentes.
Peter Weller é perfeito como RoboCop. Ele passa todas as emoções do personagem, sem esquecer a condição robótica deste. Ninguém se movimentou melhor na armadura do policial do futuro do que ele. Em RoboCop 2 seus movimentos ainda são mais roboticamente perfeitos. O elenco coadjuvante é muito bom com destaque para Nancy Allen e sua Lewis, Ronny Cox e o vilanesco Dick Jones e Kurtwood Smith, como o bandidão Clarence Boddicker.
 A trilha sonora de Basil Poledouris é insuperável. Futurista como o personagem pedia. inesquecível quando RoboCop sai para a primeira patrulha e  a fanfarra começa a tocar. O som, vencedor do Oscar, também merece elogios. A armadura do policial do futuro tem um visual arrebatador. Criada por Rob Bottin ela continua impressionante até hoje. A versão prata atualizada exibida no remake do Padilha, por exemplo, é muito mais bacana do que a versão Dark Knight.
O RoboCop original foi um sucesso. Diferente do seu remake custou menos (US$ 13 milhões) e rendeu mais (US$ 53 milhões nos EUA), sem nenhum nome famoso no elenco.
Amanhã, RoboCop 2.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *