Review – Dunkirk

Espalhe!

Direção: Christopher Nolan
Elenco: Mark Rylance, Cillian Murphy, Tom Hardy, Harry Styles, Kenneth Branagh.
EUA, 2017


Eu nem pretendia escrever sobre Dunkirk, mas o longa dirigido por Christopher Nolan foi indicado ao careca dourado essa semana e aqui no CPR a gente fica na noia de assistir e comentar todos os indicados na categoria principal. Well, nunca fui “reiter” do Nolan e até já fui meio nolanete até o TDKR (que considero seu pior filme disparado). Dito isso, gostei de Dunkirk.


Não tem como dizer que o filme não acerta no que se propõem, que é te colocar dentro da ação. Funcionou comigo e eu nem vi a bagaça em IMAX. O que importa aqui são os eventos e a obsessão de Nolan por mostrar acontecimentos em diferentes escalas de tempo como se tivessem acontecendo simultaneamente. As preocupações com personagens e diálogos são minimas (em verdade, os diálogos são tão fracos/desnecessários que poderiam ter sido cortados).


Kenneth Brannagh está ali para soltar os diálogos expositivos de praxe, Cillian Murphy não tem muito o que fazer com seu personagem patético. Tom Hardy com a cara coberta quase o tempo inteiro de novo (e ainda assim é o melhor ator em cena). O popstar Harry Styles não compromete e Mark Rylance faz bem o seu feijão com arroz com o personagem clichê que lhe coube. Enfim, esses personagens pífios me impedem de colocar Dunkirk em uma lista de melhores filmes de guerra. Acho isso imprescindível no gênero, modos que tem a morte de um personagem importante- e inocente- no decorrer da trama e e eu nem me abalei.


Dois dos maiores méritos de Dunkirk são a fotografia de Hoyte van Hoytema e a trilha sonora de Hans Zimmer, responsável por grande parte da tensão criada pelo filme. Ambos foram merecidamente indicados ao Oscar, assim como o som e mixagem de som (que merecem ganhar de Baby Driver). Fica a dica para o lançamento de uma versão só com trilha.

Leia mais!  Review: X-Men: Dias de um Futuro Esquecido


Enfim, não achei Dunkirk o filme maravilhoso que muitos apontam e nem o desastre que outros dizem ser. É um filme bacaninha que infelizmente não paga todos os cheques que o ego do Nolan emite.


Essa cotação tá meio altinha, hein? Vai pela duração certeira. Nolan voltou a fazer filmes com menos de duas horas. Vamos comemorar.

A quem interessar, saiu, também no ano passado, Operação Dunkirk dos espertalhões da Asylum. 13 pessoas já foram enganadas e assistiram o troço pensando se tratar do Dunkirk nolanesco. Confira na página do embuste no Filmow

Tá certo que  muita gente acha Nolan um cineasta medíocre, mas ai…pqp, né? Hahaha

Leia outras matérias

1 thought on “Review – Dunkirk

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *