Review – Esquadrão Suicida

Compartilhe:

Suicide Squad
Direção: David Ayer.
Elenco: Will Smith, Margot Robbie, Viola Davis, Jared Leto, Jai Courtney, Jay Hernandez, Adewale Akinnuoye-Agbaje, Cara Delevingne, Joel Kinnaman, Karen Fukuhara, Adam Beach, Scott Eastwood, Ezra Miller e Ben Affleck.
EUA, 2016

Antes tarde do que nunca. Enfim, assisti Esquadrão Suicida. Ainda que ache o último Quarteto Fantástico mais desastroso, digo que essa obra baseada nos personagens da DC Comics é tão vergonhosa quanto. Diferente de BvS, não é apenas um filme medíocre. É bem bosta mesmo.

O roteiro é fraco e mal amarrado (talvez porque o Amarra tenha sido o primeiro a morrer, huahuahua). As cenas de ação poderiam salvar, mas são genéricas e nada empolgantes, sofrendo com uma edição bem ruinzinha. A fotografia é bem escura, contrastando com os cartazes de divulgação bem coloridos da bagaça. O melhor é a ótima, e bem óbvia, trilha sonora, com uma música jogada atrás da outra logo nos primeiros minutos de filme (me fez lembrar obras dos anos 90 como Barb Wire, Tank Girl e ainda Demolidor- O Homem sem Medo nesse aspecto). Até Spirit in the Sky, que foi destaque recente na trilha de Guardiões da Galáxia, é tocada em um momento.

Sobre os membros do Esquadrão, a toda hora você é lembrado que a equipe é formada pelo pior do pior do pior, mas na verdade eles são mais gente boa que o Batfleck de BvS e se apegam com uma facilidade tremenda. Também não convencem em nenhum momento como sendo capazes de encarar grandes ameaças, com o filme dando aquelas forçadas de barra para te fazer acreditar que eles são.

Não vi o Pistoleiro, mas apenas Will Smith sendo Will Smith. Arlequina é divertida, mesmo que passe longe da carismática personagem deBatman- The Animated Series (onde surgiu), e gostosa (seu shortinho sempre se sobressai nos momentos que está em cena). Bumerangue não fede e nem cheira. Croc ficou visualmente interessante, com uma maquiagem bem bacana, mas é sub-aproveitado. Katana está lá pra usar o idoma japonês e fazer pose com sua espada (ou chorar diante dela, huahuahua). El Diablo tem até mais destaque do que eu esperava e é realmente o único suicida do grupo e o Amarra está ali pra mostrar que Amanda Waller fala sério.

O Rick Flag de Joel Kinnaman é um saco de clichês e a Magia é uma vilã bem nhé. Quem rouba a cena é mesmo Viola Davis com sua Amanda Waller inflexível e autoritária. Batman aparece em cenas com Pistoleiro e sua filhota (onde tem direito a um diálogo risível numa atitude filha da puta, que não condiz com o cruzado de capa), perseguindo Coringa e Arlequina e numa cena pós-crédito com Amanda Waller, exercendo seu lado Nico Fúria.

O Coringa do Jared Leto é de longe a pior coisa do longa. Canastra ao extremo, suas gargalhadas, trejeitos, nada funciona. Nada. O visual escroto acaba sendo o menor dos problemas diante de uma atuação tão pouco inspirada. Ótimo que ele não apareça o tempo todo, mas uma pena que vá retornar nos próximos filmes.

Enfim, um filme com personagens com bom potencial, prejudicado por más escolhas no elenco (Leto, Courtney e Delevigne), roteiro meia-boca, direção pouco inspirada e alterações na pós-produção pra deixar tudo mais engraçadinho (com piadinhas tão ruins quanto as de Thor 2). Não considero Esquadrão pior que Quarteto porque é um filme que ainda é constante. Ele não muda de tom na metade. É ruim o tempo todo e não desaponta exatamente por não ter fazer acreditar que pode sair coisa melhor dali. A ruindade ainda diverte em certos momentos como a dancinha da Magia. Sobrou pra Mulher-Maravilha provar que a Warner ainda pode fazer um bom filme inspirado nos personagens da DC Comics.

 

Esquadrão até poderia ser um guilty pleasure interessante, mas eu ainda prefiro Motoqueiro Fantasma- Espirito da Vingança. Talvez se Nic Cage fosse o Coringa…

Enfim, o que fica de bom mesmo são os gifs da Arlequina.

The following two tabs change content below.

Marc Tinoco

Um cara igual aquela série. Cheio de referências.

Latest posts by Marc Tinoco (see all)

Compartilhe: