Review: O He-Man de 2002

Espalhe!

Eu nunca fui fã de versões atualizadas de desenhos clássicos. Pra você ter uma ideia o único Gijoe que assisti foi o clássico dos anos 80. Gijoe não, é Comandos em Ação mesmo. Bem, o lance é que eu nunca havia parado para ver a animação moderninha de He-Man que rolou em 2002. Apenas esse ano peguei na Locadora do Sparrow pra dar uma conferida.
Gostei muito do que vi inicialmente. Ao contrário da animação dos anos 90, com seu He-Man de rabo-de-cavalo, essa versão da década passada respeita a série original e apenas deixa tudo mais…hã…”sombrio”, apesar de ainda ter algum humor. Os vilões são mais perigosos, He-Man é menos poderoso, personagens tem seus passados explanados…
O desenho começa no passado de Etérnia, onde vemos o futuro rei Randor, pai de Adam, enfrentando o futuro Esqueleto, acompanhado por Mentor e outros guerreiros. Descobrimos então como o feiticeiro Keldor transformou-se no inimigo do He-Man e o desenho vai por tempo presente onde as tropas de Esqueleto fazem sua investida contra Etérnia e o principe Adam descobre que é o detentor do poder de He-Man (aquele lance meio Shazam…).
 Os três primeiros episódios contam a origem do homem mais poderoso do universo e são bem bacanas. Acho que eles deveriam até ser utilizados como base para o esperado novo longa-metragem do personagem. A animação é muito boa, influenciada pelos Dragon Ball Z da vida, heróis e vilões agora se movimentam em combate de forma que as versões clássicas jamais puderam fazer. E o príncipe Adam parece um adolescente e não mais o He-Man sem canela (quem viu os clássicos do Pica-Pau entenderá).
Falando em clássicos, todos os personagens aparecem : Tila, Gorpo, Pacato (que dessa vez não fala, o que faz sentido, embora eu ache que sua versão Gato Guerreiro, por ser um animal mágico, poderia sim abrir a matraca), Maligna, Homem-Fera, Mandíbula, Aquático, Multi-Faces…enfim, todo mundo repaginado, alguns menos carismáticos, outros mantendo velhas características. Até personagens da linha de bonecos que não foram utilizados no desenho oitentista, como o Cheirume, dão as caras. Claro que a Feiticeira também está por ali:
Opa, imagem errada
As duas primeiras temporadas são bacanas. Apenas a terceira (e última) destoa. Nela surgem novos inimigos, os Homens-Cobras.
Os personagens pretendem ser mais ameaçadores, mas são apenas chatos pra cacete e não convencem, passando longe do carisma de Esqueleto e seu bando. He-Man também ganha uma armadura escrota pra caramba que não serve pra nada.

 

Cara, isso é pior que as armaduras de Shurato
Infelizmente a bagaça termina antes de revelar Hordak ou aparecer alguma menção a She-Ra. Enfim, como alguém que foi fã da animação clássica nos tempos de muleke, devo dizer que essa nova versão não é de todo mal e, apesar de desgostar da terceira temporada, está longe de ser o desastre que essas novas versões costumam ser.
 Não gostei dos nomes dos personagens mantidos no inglês por causa dos bonequinhos, mas vale destacar a dublagem que resgata algumas vozes da dublagem clássica e a bem sacada abertura das duas primeiras temporadas que brinca com a abertura do desenho original:

Enfim, se os responsáveis pelo novo filme (que parece que vai sair depois do filme da Liga da Justiça) forem tão respeitosos com o material original, como os produtores desse desenho foram, estaremos no lucro.

 

 

 


Espalhe!

Marc Tinoco

Um cara igual aquela série. Cheio de referências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *