Review – Personal Shopper

Compartilhe:

Personal Shopper
Direção: Olivier Assayas
Elenco: Kristen Stewart, Sigrid Bouaziz, Lars Eidinger, Anders Danielsen Lie.
França, Alemanha, 2016.

Personal Shopper, vencedor do prêmio de melhor direção no Festival de Cannes é a segunda parceria do diretor francês Olivier Assayas e da atriz americana Kristen Stewart. O anterior foi o ótimo Acima das Nuvens de 2014, que também arrematou prêmios internacionais. Personal Shopper não é tão bom quanto, mas tem seus méritos.

Na trama Maureen (Kristen) é uma americana que mora em Paris e trabalha como “personal shopper”, ou seja, faz compras, para uma modelo, celebridade local. Maureen também tem um dom especial, consegue se comunicar com mortos. Dom cujo seu irmão gêmeo recém-falecido também tinha, ela o considerava um verdadeiro médium, enquanto ela não entende seu poder, nem sabe se acredita em vida após a morte. Pois é, a moça tem dúvidas de quem é e o que quer, por isso tem um emprego chato e uma patroa que ela não gosta.

Maureen acredita, porém, que seu irmão pode está querendo lhe enviar uma mensagem seja de onde estiver. Essa é uma das tramas do filme, porque no decorrer do filme Maurreen também recebe mensagens de um homem misterioso. A curiosidade e o tédio faz com que ela continue respondendo as mensagens e mais tarde o tal homem tem relação com um assassinato que acontece no filme. Assim, Personal Shopper, embora em vários momentos parece não está acontecendo nada, está acontecendo muita coisa.

O problema aqui é que Assayas tem uma trama de suspense e mistério para desenvolver ao mesmo tempo que traz muitos elementos que também usou em Acima das Nuvens. As longas conversas entre Kristen e Juliette Binoche sobre a vida, trabalho, enfim, sobre tudo, funcionavam muito bem porque havia ali a questão do choque de gerações fundamental para a trama andar. Aqui Maurren anda para lá e para cá fazendo as compras da patroa, enquanto conversa sobre vida após a morte com algumas pessoas e estuda sobre o tema assistindo vídeos.

O engraçado é que Assayas manda bem nas cenas de suspense com Kristen investigando a casa em que seu irmão ainda apareceria após a morte. Há uma cena no início, uma no meio e a cena final, que prendem a atenção, e a aparição de um fantasma é um efeito interessante. Até as trocas de mensagens com o homem misterioso funcionam. Qualquer espectador atento já sabe quem é o assassino, mas isso não atrapalha porque não era importante na trama. Porém, se o filme fosse direto focado na trama de suspense e terror seria mais redondo.

Um elemento, porém, fez com que eu não desgrudasse da tela nem um momento, Kristen Stewart. Inclusive precisei dar um tempo e refletir, se não daria ao menos mais meio pinguim para o filme. Ela vem se superando cada vez mais como atriz, ela expressa perfeitamente as confusões e dúvidas de Maureen, seja nas expressões faciais, no olhar, seja nas expressões corporais. E também é um papel com sensualidade em algumas cenas.

Uma personagem com tantas camadas em um filme difícil de definir o gênero, foi um desafio e tanto, que Kristen aceitou e fez um grande trabalho de interpretação. Ela está presente em praticamente todas as cenas do filme e o modo como ela nos hipnotiza na tela fez com que eu nem ficasse entediado com as andanças de Maureen. Quanto a Assayas, é de fato um diretor de talento e deverá realizar outras obras de qualidade.

The following two tabs change content below.

Dre Tinoco

Geográfo, viaja tanto que quase não tem tempo para escrever nessa josta. Mas, sempre dá um jeito de ver as postagens com a Natalie Portman

Latest posts by Dre Tinoco (see all)

Compartilhe: