Review: Saga Torre de Stephen King

Compartilhe:
Uma salada pop. Essa é uma boa forma de definir a saga Torre Negra, de Stephen King. Rei Arthur, Senhor dos Anéis, O Mágico de Oz, westerns… tudo junto e misturado, para compor a mais grandiosa e ambiciosa trama do autor. Alias, de acordo com o próprio King, foram mais de 30 anos para concluir a obra.
Torre Negra tem como fio condutor, um plot clichê: o herói, originário de uma antiga e especial linhagem, que dedica sua vida à uma busca. O “herói”, no caso, é o pistoleiro Roland Deschain, vindo de uma antiga linhagem de pistoleiros, que dedica toda a sua vida a encontrar a Torre Negra. Durante sua busca, muitos personagens (amigos e  inimigos) e lugares mágico, surgem ao longo do percurso. Obviamente, você já viu premissas parecidas com esta diversas vezes. Entretanto, todos esses clichês são propositais, em uma grande homenagem ao universo das histórias de fantasia.
Roland é um pouco de diversos  tipos de heróis ou anti heróis que povoam a cultura pop: Rei Arthur, Aragorn,  o Pistoleiro sem Nome (Clint Eastwood nos filmes de Sergio Leone)… as referências são muitas. Referências  não só quanto a composição de Roland, mas que permeiam toda a história, algumas de maneira clara, até jocosamente óbvia, mas outras de forma sutil.
Além da divertida colcha de retalhos pop, o principal mérito da saga está em seus personagens. King cria uma boa gama de tipos fascinastes e carismáticos, como o próprio Roland em sua dualidade, a forte Suzannah ou o cínico Homem de Preto,  que sustentam a trama, mesmo quando a história cai em momentos cansativos.Sim, no geral, a  saga é fantástica e cada livro possui grandes momentos. Porém, em outros, King se perde entre conversas em excesso e explicações desnecessárias. Além disso, ao que parece, o tal “ka” (como é chamado o “destino” na trama),  se torna o mesmo que “conveniência” na história. Contudo, nada que chegue a estragar a leitura.
Voltando às referencias, como já disse, elas são muitas e variadas.  E é sempre interessante o modo como King encontra pontos de contato entre livros e filmes aparentemente dispares. Variado também é o interesse despertado pela história. Torre Negra ganhou histórias em quadrinhos, lançadas pela Marvel e Ron Howard ainda tenta transformar a saga em filme.
Embora oficialmente Torre Negra tenha sete livros, em 2011 King publicou A Torre Negra: O Vento Pela Fechadura, um interlúdio entre Mago e Vidro e Os Lobos de Calla, focado no passado de Roland, que pode ser lido sem o conhecimento prévio dos demais.
Compõem a Saga oficial:

O Pistoleiro:

 é onde somos apresentados ao implacável pistoleiro e sua busca obsessiva pela Torre Negra, com um pouco de  Homens em Conflito e Lobo Solitário.

A Escolha dos Três:

é o livro que mais gosto de toda a saga. Nele,somos apresentados aos companheiros de viagem de Roland, o viciado em heroína, Eddie e a ativista negra com múltiplas personalidades, Odetta/Detta. Referencias à Exterminador do Futuro e Duna, entre outros.

As  Terras Devastadas:

 
uma viagem no trem falante e fã de adivinhações, Blaine. 2001: Uma Odisseia no Espaço e A Máquina do Tempo na salada.

 Mago e Vidro:

aqui ficamos conhecendo mais sobre o passado de Roland e o inicio de sua busca pela Torre. Dentre as referencias, O Mágico de Oz.

Os Lobos de Calla:

 o pistoleiro e seu grupo precisa ajudar o povo de Calla, que vem tendo seus filhos periodicamente sequestrados pelos “lobos”. Várias citações a Sete Homens e um Destino.

 A Canção de Suzannah:

 traz alguns dos momentos mais trágicos da história e várias referencias a Excalibur.

A Torre Negra:

a saga chega ao fim, embora menos espetacular do que prometia.
Enfim, pode não cumprir todas as expectativas, mas ainda assim é leitura divertida para quem aprecia a literatura fantástica.
The following two tabs change content below.

Dri Tinoco

Formada em Letras, apaixonada por Literatura e viciada em Cultura Pop. Tornou-se irremediavelmente fã de Jaspion aos 3 anos. Quando criança (e ainda hoje) preferia os filmes do Schwarzenegger a qualquer desenho da Disney e acha que o Viggo Mortensen também é lindo sem a caracterização de Aragorn
Compartilhe: