Review – Stranger Things (Primeira temporada)

Compartilhe:

 

Direção: Vários

Elenco: Winona Ryder, David Harbour, Finn Wolfhard, Millie Bobby Brown, Gaten Matarazzo, Caleb McLaughlin, Matthew Modine,Natalia Dyer

EUA, 2016

No último fim de semana, finalmente terminei de assistir Stranger Things, o grande sucesso da Netflix criado pelos Duffer Brothers (não confundir com a cerveja Duff dos Simpsons). E consegui fazê-lo antes da estreia da segunda temporada, vejam só! É que tenho bastante preguiça com séries. Acho que a maioria fica apenas enrolando histórias que caberiam em um longa-metragem e prefiro encher a cara de filmes. Mas vi essa pela presença da Winona Ryder e as referências oitentistas.

A história, que caberia certinho num filme Sessão da Tarde de 1 hora e meia, é ambientada em 1983 numa pequena cidadezinha do interior. Numa bela noite, após passar o dia jogando RPG na casa de um coleguinha, o garoto Will Byers desaparece misteriosamente. Quando seus amiguinhos saem em sua busca, encontram a estranha garota careca com poderes psíquicos, Eleven, que está envolvida de alguma forma nesse mistério. E essa turminha do barulho vai aprontar altas confusões.

Quando o assunto é nostalgia, a série realmente bate um bolão. Temos muitas referências. Uma trilha sonora com The Clash e afins, sintetizadores, néon, letreiros no estilo das obras de Stephen King, pôsteres dos filmes Tubarão, A Morte do Demônio e Enigma de Outro Mundo no quarto de um dos garotos, citação a filme com Tom Cruise, entre outras. Tem referência até a filmes que não são dos anos 80.

É tanta referência, que vi até uma ao seriado dos Flashman, que provavelmente os Duffers nunca viram, huahuahua…embora o playboyzinho da bagaça até lembre uma versão ocidental do vilão Wandar!

 As crianças foram o destaque da série e todos as amaram, mas na verdade elas são anti-crianças dos anos 80. Ao invés de meter a cara onde não são chamadas, como as crianças das produções daquela época, os guris ficam parados no mesmo lugar discutindo se devem agir ou não quase a série inteira. Eles nunca vão ao perigo, mas o perigo que vem a eles. Achei também a Eleven bem fraquinha. Esperava algo mais tipo Tetsuo (um Tetsuo do bem, mas Tetsuo), no final, mas ela decepcionou, assim como seus colegas sem iniciativa.

A trama só anda mesmo graças aos meus dois personagens favoritos, Joyce Byers (Winona Ryder) e o delegado Jim Hopper (David Harbour). Os dois são os mais empenhados em encontrar o garoto e desvendar os mistérios que cercam seu desaparecimento. Aliás, bem raro um delegado nesse tipo de produção aceitando todo tipo de esquisitice…

Além das crianças, de Joyce e do delegado, temos entre os personagens principais os adolescentes Jonathan (irmão de Will), Nancy (irmã de Mike, amigo de Will) e o namorado de Nancy, Steve. Só imagino o quão chato vai ser esse triângulo amoroso nas próximas temporadas (que não devem ser muitas, pois as crianças que todos amam vão crescer)

Com apenas 8 episódios, Stranger Things é uma boa série. Não é isso tudo que dizem por aí, mas, sim, é uma boa série. Tem um bom ritmo, boa trilha, um clima de suspense bem trabalhado, figurinos e ambientação perfeitos. Algumas bolas fora, como o capitulo final corrido com uma batalha final pouco satisfatória e quando os Duffer, superando o Nolan, não só explicam, mas desenham uma revelação no episódio 6, mas é uma série divertida no geral. Bacaninha. Talvez eu volte para a segunda temporada se não tiver nada melhor para ver.

 

The following two tabs change content below.

Marc Tinoco

Um cara igual aquela série. Cheio de referências.

Latest posts by Marc Tinoco (see all)

Compartilhe: