Loading

wait a moment

Review – The Post – A Guerra Secreta

Espalhe!

The Post

Direção: Steven Spielberg

Elenco: Meryl Streep, Tom Hanks, Bob Odenkirk, Bradley Whitford, Bruce Greenwood, Sarah Paulson, Tracy Letts, Alison Brie, Carrie Coon, Jesse Plemons, Michael Stuhlbarg, Matthew Rhys.

EUA, 2017.

O novo filme de Spielberg, em cartaz nos cinemas, está indicado aos Oscars de Melhor filme e melhor atriz e está dividindo opiniões se é o bom Spielberg ou aquele de filmes fraquinhos recentes. Eu considerei o melhor dele nos últimos tempos. Gostei bem mais que “Ponte dos espiões”, seu drama político anterior.

A trama de “The Post” aborda a batalha entre o jornal The Washington Post e o governo estadunidense liderado por Richard Nixon durante 1971, uma guerra pela liberdade de imprensa. Tudo começa quando o New York Times publica os “Pentagon Papers”, documentos ultra secretos sobre a participação dos Estados Unidos na Guerra do Vietnã, mostrando como os EUA sabiam que aquela era uma guerra perdida e mesmo assim continuaram mandando jovens para a morte, além disso revelava, por exemplo, a interferência dos EUA nas eleições daquele país. .

O Times teve acesso aos documentos através do analista Daniel Ellsberg, e o mais grave na sua revelação é que o encobrimento desses fatos já havia passado por quatro mandados presidenciais dos EUA, Eisenhower, Kennedy, Lyndon Johnson e Nixon. E o governo de Nixon cai em cima do Times, que fica proibido de publicar a continuação dos documentos. Os papeis acabam indo parar no “Post” e assim, a primeira editora jornalística dos EUA Katharine Meyer “Kay” Graham (Meryl Streep) e seu editor Ben Bradlee (Tom Hanks), um sujeito considerado difícil para trabalhar iniciam essa batalha nunca antes vista entre imprensa e o governo. Graham se ver dividida entre fazer o papel que a imprensa livre deve fazer, o de denunciar a verdade e o risco de perder seu jornal, legado de seu pai, caso a Justiça dê ganho ao governo.

“The Post” é então um intenso thriller político com ótimos diálogos e interpretações. Spielberg na sua experiência de décadas consegue definir muito bem quando e como usar planos-sequência, tomadas panorâmicas e closes que juntamente com o roteiro de Liz Hannah e Josh Singer e a trilha sonora de John Willians conseguem construir a atmosfera tensa que pairava sobre os jornalistas naquele episódio envolvendo muitas dúvidas e anseios. “The Post” não tem chance no Oscar, é só ver o número de indicações e concorrentes nas mesmas, mas é melhor que Spotlight, que até teve o mesmo Josh Singer no roteiro e levou o Oscar de melhor filme e roteiro em 2016.

O elenco em um filme de diálogos como esse precisa está afinado, e não decepciona. Meryl Streep desenvolve muito bem o modo como Kay enfrenta seus temores e suas dúvidas ao assumir o jornal que foi do seu pai e de seu marido, hora avançando, hora retraindo e demonstrando medo, em outros momentos ela resiste à pressão dos homens que não acreditam que ela conseguirá sucesso no comando do “Post”. Não era nem necessária a forçada que Spielberg faz na cena em que ela sai de uma das audiências e enquanto desce as escadas várias mulheres a observam encantadas como se sentindo representadas. Ser a primeira mulher a comandar um jornal como esse não é pouca coisa, mas ela recebeu o cargo como herança, vinha de uma família poderosa amiga de presidentes dos EUA e de outros como o ex – Secretário de Defesa Robert McNamara (Bruce Greenwood), então essa questão de representatividade vai só até certo ponto. Melhor foi deixar que Meryl Streep na sua performance demonstrasse como a condição de ser mulher naquela sociedade impões desafios que vão além do que um homem enfrenta.

Quanto a Tom Hanks, ele se esforça para compor um personagem diferente do que se especializou, um homem de tons mais rudes e que fala até palavrão, Ben Bradlee, no período do caso de Watergate em que jornalistas também sofreram com a censura de Nixon e o The Washington Post estava novamente no centro da tormenta ele chegou a dizer “Minhas bolas estão em jogo!”, e era acima de tudo um lutador pela liberdade de imprensa. Com o carisma que tem, Hanks consegue compor um Bradlee próximo do real. No clássico “Todos os Homens do Presidente”, que é sobre o Post e a investigação de Watergate iniciada quando cabos eleitorais do Partido Republicano de Nixon instalam escutas clandestinas na sede do Partido Democrata, Bradlee já havia sido interpretado por Jason Robards que levou o Oscar de ator coadjuvante por seu trabalho.

O restante do elenco também cumpri bem sua função. Há entre outras caras conhecidas, Bob Odenkirk sem as características e trejeitos do Saul de “Breaking Bad” e “Better Call Saul”, Alison Brie, Jesse Plemons, também de Breaking Bad e Michael Stuhlbarg, que está em três dos filmes indicados a melhor filme 2018, ao menos dos que já vi, vai que eu ainda o encontro em mais algum, em cada filme faz um personagem totalmente diferente, um ótimo ator.

Assim, ponto para Spielberg, é um filme que tem muito para dizer. Seu conteúdo verborrágico está afastando algumas pessoas, que sentem falta de explosões e aventura, cheguei a ler por aí, que o filme fica o tempo todo num debate se publica ou não publica uma coisa que na verdade não interessa a ninguém. Se acha que saber que seu governo mentiu sobre uma guerra que exterminou um bom número de jovens daquele país e do “inimigo” não interessava, o problema não é só com o gosto para cinema, mas de entender História também. Talvez gerações mais novas não percebam a importância que a história narrada aqui teve para o jornalismo e os rumos da sociedade e política. Assim, como o caso Watergate, que começa logo depois o escândalo dos “Pentagon Papers”.

 

The following two tabs change content below.

Dre Tinoco

Geográfo, viaja tanto que quase não tem tempo para escrever nessa josta. Mas, sempre dá um jeito de ver as postagens com a Natalie Portman

Latest posts by Dre Tinoco (see all)